Grupo do IG participa de evento em Paris sobre responsabilidade na biologia sintética

Marko iGEM

O International Genetically Engineered Machine (iGEM) é uma competição internacional de engenharia de sistemas biológicos que promove o encontro de equipes de universidades de todo o mundo, fomentando a pesquisa na área, estimulando a interação entre grupos de pesquisa e possibilitando a participação de empresas e representantes de governos. Nesse ano, a competição ocorreu em Paris. Também ocorreram atividades paralelas, como a  Responsibility Conference, destinada a discutir questões de responsabilidade, governança, participação pública, biossegurança relacionadas à biologia sintética. Foi nessa conferência que o coordenador de Pós-Graduação do IG Marko Monteiro discutiu temas ligados a governança de C&T. Lucas Nishida e Erico Perrella, doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica (PPG-PCT),  e Marisol Marini, ex-pós-doc em PCT, também a companharam as atividades da Conferência.

O docente Marko Monteiro participou da mesa “Lessons for governance of emerging technologies” junto a especialistas de diversos países, como David Guston (Arizona State Univ. EUA), que tem uma longa história de reflexão sobre governança de ciência e tecnologia e inovação responsável. Marko recebeu o convite por intermédio de Clarissa Heche, doutoranda em Ciências Sociais da Unicamp que participou da montagem do evento. “As competições são um destaque, pois permitem vislumbrar futuros possíveis dessas tecnologias na prática. Mas o evento de responsabilidade foi muito procurado e apontou reflexões importantes sobre aspectos da governança”, disse o docente.

Lucas Nishida, que em 2016, participou da competição como integrante da equipe da USP, acompanhou dessa vez a Responsibility Conference. A possibilidade de encontros entre pesquisadores do mundo todo e de estabelecer parcerias abriu uma oportunidade para Lucas: ele recebeu o convite para apresentar seu trabalho em um grupo britânico. “Trata-se da reunião do programa de pesquisa colaborativo Decolonising Global Participation (decolonizando a participação global), ligado ao Centre for Global Science and Epistemic Justice (GSEJ), da University of Kent. Como esse programa tem a ver com a minha pesquisa, sobre a participação pública na avaliação de tecnologias de saúde para tratamentos de doenças raras, eu fui convidado a apresentar ao grupo em uma reunião e a contribuir com a pesquisa respondendo um questionário”, explica. 

Conheça aqui o time da Unicamp que participou do iGEM.

Igem

Por Eliane Fonseca Daré

Imagens: arquivo pessoal