Programa de Pós-Graduação em Geografia comemora 20 anos com alto nível de excelência

20 anos PPG-Geografia

Quando o projeto do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPG-Geo) do Instituto de Geociências foi encaminhado para a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) em 2002, foi solicitado de imediato a criação de um curso de mestrado e um de doutorado. Como conta Raul Reis, coordenador do PPG-Geo, “na área de geografia, primeiro se fortalece o mestrado para depois criar o doutorado. Esse foi o único Programa até então que criou os dois cursos juntos”. Nesse caso, a presença do quadro de docentes já consolidados na academia facilitou a criação de um PPG já com os dois níveis de formação. Isso teve reflexo imediato nas avaliações feitas pela CAPES desde então: em sua primeira avaliação, o PPG obteve nota 4. Na segunda, com 10 anos, subiu para 5. Já com 15 anos, alcançou a nota 6, sendo considerado um Programa de excelência – patamar mantido ao chegar aos 20 anos.

Dentre os desafios do Programa, que conta com 24 docentes (20 permanentes e 4 colaboradores),  está a ampliação da internacionalização. De acordo com o coordenador Raul Reis, há uma série de iniciativas de pesquisa e de parcerias com instituições estrangeiras em andamento.  Uma delas refere-se ao Programa Print Capes, através o qual o PPG trouxe um grande número de professores para a Unicamp ao longo de 2022. “Em abril trouxemos três professores de universidades portuguesas. Em julho tivemos mais quatro - dois dos Estados Unidos, uma de Cuba e um do País de Gales. Ampliamos também o número de estudantes em mobilidade internacional: um foi para a Itália, dois para o Reino Unido, um para o leste europeu e uma para o México”, conta o docente. O Programa também conseguiu uma bolsa de estudos para 2023 em alguma instituição da América Latina e três bolsas Santander de mobilidade internacional para Espanha e Chile, que terão início em janeiro.

Vem ocorrendo também a mobilidade internacional de docentes, como a estada de Lindon Fonseca em Cardiff, no País de Gales, e de Adriana Bernardes no Canadá, país que receberá Rafael Straforini em 2023. Ainda em dezembro de 2022, os docentes Francisco Ladeira, Vicente Eudes e Tânia Canto irão à Universidad de Chile em uma missão que irá formalizar um convênio com a Unicamp. Os docentes do PPG também têm realizado parcerias de coorientação e cotutela com universidades estrangeiras.  Raul Reis está coorientando uma tese desenvolvida na Argentina e finalizou uma cotutela em Portugal. Regina Célia Oliveira tem uma cotutela também em uma instituição portuguesa. “Como se nota, temos ampliado muito nossa internacionalização. Isso tem se refletido na ampliação de publicações internacionais. Além disso, temos conquistado importantes editais, como o obtido pela professora Maria Tereza Paes na Chamada Pública Pró-Humanidades, do MCTI e CNPq, que está apenas aguardando a fase de recursos para se concretizar ”, destaca o coordenador.

Mesa de abertura PPG
O diretor do IG Márcio Cataia, o coordenador do PPG-Geo Raul Reis, a chefe do Departamento de Geografia Adriana Bernardes e o coordenador de Pós-Graduação do IG Marko Monteiro na abertura da semana de comemoração dos 20 anos do PPG-Geo
Eventos comemorativos

Pala celebrar os 20 anos do PPG-Geo, uma grande programação ocorreu entre os dias 21 e 25 de novembro no Instituto de Geociências da Unicamp.  “Trouxemos professores de excelência para discutir temáticas importantes em relação à geografia brasileira. Os eventos foram divididos na parte da manhã com mesas redondas, palestras e conferências. À tarde os alunos matriculados na disciplina Seminários apresentaram seus projetos e tiveram a oportunidade de receberem considerações e sugestões desses professores convidados”, explica Amorim, que fez mestrado e doutorado no Programa da Unicamp.

Além da semana comemorativa, o Programa também incentivou eventos organizados  por docentes que integram o PPG:  

Fórum Permanente

O primeiro evento a integrar as comemorações dos 20 anos do PPG-Geo foi o Fórum Permanente “O território brasileiro no contexto da Semana de Arte Moderna de 1922: modernidades, permanências e desafios”, que ocorreu no dia 07 de novembro no Centro de Convenções da Unicamp, organizado pelos docentes Antônio Carlos Vitte e Claudete de Castro Silva Vitte.

O evento trouxe temas ligados à relevância histórica, social e cultural da Semana de Arte Moderna de 1922, que colocou na agenda nacional o território e a construção da identidade nacional a partir da multiplicidade cultural de seu povo. Para os integralistas e conservadores somente um Estado forte e autoritário seria capaz de modernizar as relações capitalistas no Brasil. Para Mário de Andrade (1893-1945) ao contrário, o território e as relações socioespaciais seriam o resultado do encantamento, encruzilhada da diversidade natural, cultural e do ser brasileiro.

II Seminário Internacional 

Outro evento que integrou as comemorações dos 20 anos do PPG-Geo foi o II Seminário Internacional "Espaço urbano, pobreza e neoliberalismo: Construção e reconstrução das práticas espaciais coletivas”, que propôs uma reflexão sobre o tempo presente e sobre as práticas de resistência e solidariedade coletivas. O evento foi organizado de modo interinstitucional pela Universidade Federal Fluminense (campus de Campos), pela Unicamp e pela USP. No IG, a organização foi do diretor Márcio Cataia. Na mesa de abertura, Paulo Cesar Montagner, chefe de gabinete da reitoria da Unicamp, lembrou que no período dos grandes eventos esportivos no Brasil, ocorreram grandes obras no país que geraram tensionamentos, como a desocupação de locais de moradias para construção de grandes avenidas. Montagner coordenou eventos da Faculdade de Educação Física na época e o neoliberalismo, um dos temas do Seminário, era muito presente nas discussões.

Para Raul Reis, temas debatidos no evento reverberam na linha de pesquisa do Programa. “São debates fundamentais do contexto atual. Temos vivenciado todo o desmonte dos últimos anos através de ações do Estado brasileiro. É importante debater questões não só no contexto nacional, mas na conjuntura internacional, porque há impactos em relação à Universidade, a investimentos, à liberdade, e à possibilidade de desenvolver pesquisas que consigam chegar aos tomadores de decisão”, disse.

Dentre a programação do Seminário ocorreu a conferência de Pierre Dardot, filósofo e pesquisador do laboratório Sophiapol da Universidade Paris-Nanterre, que se dedica há anos ao estudo e análise da obra de Karl Marx. Ela falou sobre "Soberania de Estado, constitucionalismo e democracia”.

Seminário
Mesa de abertura do Seminário Internacional, com os docentes Ricardo Castillo, Márcio Cataia, Paulo Cesar Montagner e Raul Reis

I Reunião Brasileira de Micromorfologia de Solos

A Reunião, que ocorreu na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz /ESALQ, em Piracicaba, foi organizada pelos docentes do PPG-Geo Francisco Ladeira e Celma de Castro. A reunião teve como objetivo impulsionar o uso da micromorfologia nos estudos de solos do Brasil, principalmente relativos à constituição, gênese, evolução e comportamento de seus constituintes e respectivos arranjos espaciais, bem como às feições pedológicas, saprólitos, sedimentos, paleossolos e artefatos pré-históricos/históricos.

IV Seminário Solos, Ambiente e Sociedade

No último evento auxiliado pelo Programa como parte da comemoração dos 20 anos, os participantes tiveram atividades de campo e assistiram palestras com temáticas cujo objetivo foi contribuir para a ampliação da percepção sobre os solos. O evento, organizado pelo Laboratório de Pedologia, ocorreu entre os dias 5 e 7 de dezembro no IG e seguiu de acordo com as comemorações do Dia Mundial do Solo. Durante o Seminário ocorreu a I Exposição de Monolitos de Solos do IG.

Exposição Monólitos
I Exposição de Monolitos de Solos

 

Texto e imagens: Eliane Fonseca Daré