InSySPo discute impactos nas cadeias globais de valor no contexto pós-covid

Conferêmcia Insyspo

O Programa Innovation Systems, Strategies and Policies (Insyspo) reuniu especialistas em uma conferência internacional para debater o tema "Cadeias Globais de Valor e Ecossistemas de Inovação e Empreendedorismo em um contexto pós-covid". No evento, que ocorreu de modo híbrido na Unicamp e na USP no final de junho, pesquisadores brasileiros e estrangeiros - especialistas nos processos de desenvolvimento econômico e inovação - projetaram aos espectadores a percepção de visões multifacetadas sobre os desafios econômicos e sociais que se apresentam neste período de pandemia/pós-pandemia. 

Bruno Fischer
Bruno Fischer, um dos organizadores da conferência internacional

Um dos organizadores do evento, Bruno Fischer, docente da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) e professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica (PPG-PCT) do IG, destaca a conferência como “um espaço de avanço nos processos colaborativos da Unicamp no cenário nacional e internacional. Representa ainda uma oportunidade de publicizar o conteúdo dos trabalhos que vêm sendo desenvolvidos aqui e que possuem potencial substancial para gerar diretrizes para políticas de ciência, tecnologia e inovação”. 

Os processos de aprendizagem e evolução das capacidades locais e sua integração em cadeias globais de valor, como mecanismo de geração de valor e competitividade, foram alguns dos principais pontos levantados por diferentes painelistas durante a conferência internacional. De acordo com Bruno Fischer, desafios econômicos e geopolíticos no contexto pós-covid  impactam na fragmentação naquelas cadeias. “Existem oportunidades associadas a cadeias globais de valor para o caso de países em desenvolvimento, em que a integração das atividades econômicas destes países em redes internacionais pode sofrer impactos positivos. Da mesma forma, os ecossistemas locais - a criação de capacidades e redes domésticas - ganham proeminência”, afirma Bruno. Mas essas oportunidades, no entanto, precisam de políticas que possibilitem transformá-las em ganhos, especialmente em regiões periféricas, onde as capacidades existentes limitam a eventual diversificação econômica. “Políticas integradas e com visão de longo prazo se fazem necessárias para alterar trajetórias de estagnação econômica”, afirma.

O InSySPo é um projeto  que  apoia a excelência da pesquisa em política de inovação na Unicamp. De acordo com Bruno, “o InSySPo vêm atuando fortemente nas discussões vinculadas às políticas de inovação em âmbito local, regional, nacional e internacional necessárias para a evolução de trajetórias inovadoras. Isto se traduz não somente em forte produção acadêmica - frequentemente construída através de redes internacionais - mas também através de iniciativas de apoio e consultoria a órgãos públicos e firmas em iniciativas de desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação”, afirma. 

Além de Bruno Fischer, Sergio Queiroz, docente do IG, e Nicolas Vonortas, da George Washington University (EUA), organizaram a conferência internacional. As sessões da conferência estão disponíveis no canal do Insyspo no YouTube.

Vonosrtas
À direita, o professor Nicholas Vonortas na mesa "Policy relevance for regional ecosystems"

Por Eliane Fonseca Daré

Imagens: Divulgação IG e Antônio Scarpinetti